polvinho

livros-objetos

Livro como objeto iconográfico combina conteúdo e forma, ironia e lúdico para dizer algo que vai além da informação imediata. Emprega várias linguagens: a visual, a literária, a metafórica, a abstrata, a conceitual, a gestual, e o que mais se queira; são as alterações visuais que contam múltiplas histórias, perspectivas, pontos de vista. As formas são inúmeras, os suportes também. Aqui são apresentados alguns.

Abstracts é um livro metamorfose que como os antigos palimpsestos se constrói apagando um escrito anterior, uma formação prévia. Neste caso emprega elementos do desmanche de texto anterior, para formar outras tantas disposições.

Monica’s rolfing, manipulado abre partes, como as partes de um corpo desmanchado pelos toques, gestos, rodopios e depois reconstruído em outros desenhos; abre uma porta, enquanto fecha outra, abre duas ao mesmo tempo, ou uma terceira, oferece inúmeras possibilidades do refazer; forma um outro corpo, um corpus moventi e poético.

Guto’s decades, celebra um natalício, é um livro túnel que reflete cenas ou cenários escondidos, estranhos ou distanciados do observador; não divulga o que está dentro e, ao mesmo tempo, quando desmorona revela e esconde tanto o dentro quanto o fora, que se equivalem e confundem; exige um jogo de espelhos para ser visto no todo.

Homage, ô mage, carrington, é uma homenagem a artista Leonora Carrington que muito admiro e aprecio e que freqüenta meus escritos e meus sonhos, surpreendendo, tirando o fôlego, já há alguns bons anos. São trechos pinçados de uma vasta obra, re-vistos, re-ditos.

BlueX, azuis, multifiori, multiformas; blue-stockings, blue devils, multittuti’s blues

Santa Felicidade e a guirlanda de letras

Oh felicidade santa! equilibrar para todo o sempre em uma tábua reta - ou tábula rasa? - as cabeças dos filhos que haviam sido decapitados na sua frente!!! e sorrindo!! Imagem martirizante, a guirlanda sanguinolenta sonoriza somente os ais de uma dor infindável – sisifismo. Que contraponto à guirlanda de letras tradicional formada por todos os sons – naturais ou artificiais! As letras tornam audíveis os movimentos do cosmos.

Aracne - exímia tecelã desafiou Atena para um concurso para o qual teceu ilustrações das faltas dos deuses! ousadia tamanha foi castigada, a deusa transformou-a em aranha que pode tecer para sempre, mas a mesma trama sem ilustrações.

Agenda: arte do tempo, vestígios dos dias, milênios, um instante.

Livro de pano azul - Lampejos coloridos através de um punhado de anos, onde o personagem se prolonga na duração e toca momentos diversos; se abre para a matéria e para a imaginação, para exploração topológica e o fazer humano. Fotografia e fotogramas em tecido - cianótipo e marrom van Dick - por Luisa Malzoni (2005).

Écrire et Lire - Prazer de ler e prazer de escrever os sinais, os vestígios, as sonoridades, as várias linguagens, a animalidade das letras.