Cronologia

C

1852

Rua do Resende, 48, RJ. Foto de Veronica Peixoto
Nasce em Porto Alegre a 25 de novembro, filha de Patricio Augusto da Camara Lima e de Maria Luisa Bormann de Lima, naturais daquela cidade. Eram seus avós paternos João Hipólito de Lima e Dona Benedita Corrêa da Câmara. Eram avós maternos Guilherme Bormann, natural de Hanover e Ricarda Manoela de Maia Bormann, natural do Rio Grande do Sul.

1852

É batizada no dia 31 de dezembro, na Freguesia de Nossa Senhora Madre de Deus Recebe o nome da avó paterna, Maria Benedita e tem por padrinhos o avô materno, Guilherme Bormann e D. Clara Ricarda Maia.

1862

Muda-se com a família para a Corte

1872

Licença do imperador para o casamento com o tio.
Pede licença à Câmara Eclesiástica do Rio de Janeiro para casar-se com o Capitão José Bernardino Bormann (1844-1916), natural do Rio Grande do Sul, seu tio materno. O casamento foi realizado dia 7 de dezembro, ‘pelas seis horas da tarde’, na Igreja Matriz de Santa Rita, na Corte.

1881

Publica Madalena em O Sorriso

1882

Publica “Sonho”; “Estrelas Cadentes” e “Estella in Cruzeiro. Rio de Janeiro, dezembro.

1883

Aurélia e contos breves em Gazeta da Tarde

1884

Dedicatória da autora.
Inúmeros contos breves e Uma Vítima na Gazeta da Tarde. Publica em livro Uma Vitima, Duas Irmãs, Madalena. Rio de Janeiro, Typographia Central De Evaristo R. Costa.

1885

Recebe críticas favoráveis aos romances, especialmente em O Paiz

1886

Publica Angelina, folhetim, em O Paiz

1887

Contos breves e crônicas em O Paiz

1890

Publica A estátua de neve, folhetim, em O Paiz.

1890

Publica Lésbia, romance. Rio de Janeiro: Typographia Central de Evaristo Rodrigues da Costa

1891

Conto breve em A Família

1892

Escreve crônicas na nova coluna à esquerda da primeira página de O Paiz

1893

Publica Celeste, um romance. Rio de Janeiro: editora Magalhães & Companhia; Celeste (scenas da vida fluminense). Rio de Janeiro, segundo milheiro, editora Magalhães & Companhia.

1894

Celeste é publicado como folhetim em A Notícia

1895

Em maio, publica “Mylady”, em A Notícia

1895

Atestado de óbito
Morre às três da madrugada do dia 23 de julho. Estava com 42 anos. Faleceu devido a uma úlcera do estômago. Foi sepultada no cemitério São Francisco Xavier, Rio de Janeiro. Não deixou descendentes.

Os textos de Norma Telles são licenciados sob uma Licença Creative Commons Atribuição - Uso Não-Comercial - Não a obras derivadas 3.0 Unported